A história da Bolsa de Valores no Brasil

Todo investidor está completamente habituado a acompanhar tudo que ocorre na Bolsa de Valores. E mesmo para quem não tem qualquer ligação mais profunda, é bastante provável que já tenha ouvido, ao menos uma vez, notícias sobre a Bovespa, a bolsa de valores brasileira, ou conversas e debates sobre o assunto. Se você gosta do tema ou tem pretensões de realizar investimentos provavelmente deve estar se fazendo a pergunta clássica: Como investir na Bolsa de Valores? Neste post, gostaríamos de fazer uma viagem no tempo para mostrar o surgimento e a história da Bolsa de Valores no Brasil para que tenha um conhecimento diferenciado ao dar os primeiros passos no mercado e iniciar sua trajetória como investidor. Não se engane investir não se trata apenas de lidar com cifras e ações, o conhecimento sobre mercados e funcionamento desse mecanismo são grandes aliados para suas decisões futuras. Grandes investidores e figuras notáveis do mercado financeiro foram verdadeiros estudiosos e, muitos deles, verdadeiros acadêmicos. Mas, não se sinta pressionado porque estamos falando de ícones como Warrem Buffett e Benjamin Graham. A ideia que queremos passar é de que conhecimento é simplesmente fundamental para traçar boas estratégias e tomar decisões mais embasadas e inteligentes para gerir seus investimentos com boas perspectivas de negócios.

Bolsa de Valores Brasil – O Início

O sistema financeiro surgiu no Brasil a partir da segunda metade do século XX, quando alguns homens começaram a exercer o trabalho de banqueiros e corretores financeiros com foco em crédito. Não havia qualquer tipo de regulamentação por aqui. O surgimento da Bolsa de Valores está diretamente ligado a este momento, em meados de 1845, quando a atividade foi regulamentada. Porém, a data considerada como ponto de partida do funcionamento da Bolsa veio apenas em 1876, quando foi decretada a cotação de títulos em um pregão – daí surgiu a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. A partir disso, houve um decreto federal que incumbia o Poder Executivo de realizar a regulamentação dos corretores e das operações financeiras. Isso foi um fator preponderante para impulsionar maior confiança nas atividades realizadas no mercado da bolsa de valores. No ano de 1897, foi expedido um decreto no qual estava estabelecida a regulamentação da Bolsa de Valores e corretoras financeiras. Porém, o decreto era válido apenas para o Distrito Federal, Rio de Janeiro na época, e não valia para os outros estados da nação. Vamos avançar um pouco a frente e falar sobre o surgimento e desenvolvimento da Bolsa de Valores de São Paulo, a Bovespa – que atualmente centraliza as atividades do mercado financeiro no território tupiniquim.

A História da Bovespa

Antes de falar de seu surgimento histórico, é preciso situar o leitor quanto ao que representa atualmente para nosso país este mecanismo financeiro. A Bovespa está localizada na capital paulista e fica situada no centro da megalópole. Estamos falando de uma entidade autorreguladora que opera sob a supervisão da Comissão de Valores Mobiliários – CVM. A Bolsa de Valores Bovespa é simplesmente nosso principal mercado de negociação de ações das empresas existentes no Brasil. Além disso, é reconhecidamente a  maior bolsa de valores da América Latina e a oitava maior do mundo. Não é pouca coisa, não é mesmo?

Linha do Tempo:

  • 1890 – Emílio Rangel Pestana funda a chamada Bolsa Livre – considerada por historiadores como o embrião da Bolsa de Valores de São Paulo.
  • 1891 – Um ano após sua abertura, a Bolsa Livre é fechada devido à crise econômica do Encilhamento.
  • 1895 – O progresso do mercado financeiro brasileiro é retomado e quatro anos após o fechamento da Bolsa Livre é inaugurada a Bolsa de Fundos Públicos de São Paulo.
  • 1934 – Com sede no  Palácio do Café, seu nome muda para Bolsa Oficial de Valores de São Paulo.

Nos anos 1960, existiam ao todo vinte e sete bolsas de valores espalhadas pelo território nacional. As bolsas pertenciam aos governos estaduais e seus membros eram compostos por corretores. Estes cargos eram nomeados por agentes públicos. Portanto, as bolsas de valores, inclusive a de São Paulo, eram consideradas entidades oficiais corporativas, que por sua vez, estavam vinculadas às secretarias de finanças estaduais – atualmente denominadas Secretarias de Fazenda. Uma significativa mudança se deu nos anos de 1965 e 1966: as bolsas passaram a assumir características institucionais, ou seja, se tornam associações civis sem fins lucrativos, com importante ganho de autonomia patrimonial, financeira e, principalmente, administrativa.  As mudanças citadas anteriormente são consequências diretas das reformas do sistema financeiro nacional.  Outra grande mudança que passou a ser observada foi a substituição da tradicional figura do corretor individual, profissionais autônomos que agiam sob a confiança de seus investidores. Agora surgia a figura das corretoras de valores, empresas especializadas em gerar este tipo de serviço, sob a forma de sociedades ou pela participação de cotas sob responsabilidade limitada. Em 1967, a entidade financeira paulista passa a se chamar Bolsa de Valores de São Paulo.

Finalmente chegando ao ano 2000, todas as Bolsas espalhadas pelos estados do Brasil são integradas. Assim, a Bovespa passa a concentrar todas as negociações mercadológicas do país, enquanto as demais bolsas seguem com suas atividades locais, prestando serviços em desenvolvimento das praças locais.

Posteriormente, a Bovespa passaria por mais algumas modificações: Em 2005, é decretado o fim de uma era. A do  pregão viva voz da Bovespa. Assim, a Bolsa se torna totalmente eletrônica. No ano seguinte, em 2006, começa a operar ações apenas em pregão eletrônico doméstico. Fique atento para esta data: em 26 de março de 2008 a Bovespa realiza o anúncio oficial sobre o processo de fusão com a BM&F. Esta nova instituição que surgiu a partir da fusão entre Bovespa e BM&F é considerada a terceira maior do mundo e a segunda da América em valor de mercado.

Agora, você já está muito mais preparado para ingressar no mundo dos investimentos e arriscar os primeiros passos como investidor da bolsa de valores. Como foi dito no início do texto, ter conhecimento é fundamental para entender o mercado e traçar estratégias de atuação. Além das terias e escolas de pensamento mercadológico, é crucial entender a história da nossa bolsa de valores para acompanhar sua evolução ao longo do anos.