Como escolher um bom fundo de investimentos?

Como escolher um bom fundo de investimentos?
1 (20%) 1 vote

Investir é entrar de cabeça em um mundo de grandes e variadas possibilidades. A constante transformação e evolução do mercado impulsionam o aparecimento de novos métodos e maneiras de investir, mas não podemos ignorar as maneiras tradicionais como os fundos de investimento. O nome soar familiar, mas você sabe realmente o que é fundo de investimento e que possibilidades e benefícios ele pode gerar a você? Mago do Mercado vai falar sobre esta modalidade e também suas variações como fundos imobiliários, fundo de ações e de renda fixa, para que fique explícito como esses mecanismos funcionam e seja possível realizar uma comparação de fundos, a fim de direcionar suas escolhas como investidor.

O que são fundos de investimento?

Vamos começar com uma curiosidade: Você sabia que no fim de 2016, mais de R$ 3 trilhões (!) estavam aplicados em fundos no Brasil? Ou seja, é um dos tipos de investimento mais comuns por aqui. Para simplificar, vamos usar a analogia mais usada para explicar como funcionam os fundos de investimento: “condomínio”. Ele funciona com uma espécie de condomínio residencial, onde cada membro é dono de uma cota (um apartamento, nesse caso) e paga uma pessoa, administrador profissional ou síndico, para cuidar e executar as tarefas do condomínio como manutenção, limpeza, obras etc. Então, podemos encarar o fundo de investimento como um sistema que reúne recursos de diferentes pessoas com objetivo de eleger um gestor para ficar responsável pelo investimento. Estas pessoas são chamadas de cotistas, e ao adquirir cotas em um determinado fundo está disposta e ciente a seguir as regras de funcionamento, referentes a aplicação, resgate e custos. Além disso,  paga uma taxa de administração para o gestor eleito para cuidar do fundo.

E quais são os benefícios desta escolha? Você ganha a possibilidade de aplicar em variados tipos de produtos financeiros, com diferentes rentabilidades e riscos, sem que seja necessário destinar grandes valores investidos. Além disso, você transfere ao gestor o trabalho operacional e contínuo de cuidar destes investimentos, uma vez que haverá um profissional capacitado e encarregado do serviço.

A figura do gestor é fundamental para bom funcionamento desse sistema. Eles devem estar preparados para gerir também os aspectos jurídicos e legais do fundo, sugerir estratégias de ações de investimentos, tudo com o objetivo de gerar o maior lucro possível com o menor nível de risco para os envolvidos. Realizam mpnitoramento diário de todos os recursos do fundo, além de  avaliar os cenários, acompanhando notícias sobre setores econômico e político. É bom frisar que os gestores têm poder de decisão sobre os recursos agregados no fundo, mas deve respeitar os regulamentos estabelecidos. Com isso, fica claro o quanto é necessário fazer uma boa escolha na hora de escolher um fundo e seus gestores.

Agora que você já sabe o que são os fundos de investimento, vamos contar um pouco mais sobre os tipos e variações dessa modalidade estratégica. Os três principais tipos são: fundos imobiliários, fundo de renda fixa, fundo de ações.

O que são fundos imobiliário?

Como o próprio nome sugere, são fundos com o objetivo de aplicar recursos em variados empreendimentos imobiliários como: imóveis já finalizados, títulos financeiros como CRI, LH, LCI e cotas de fundos imobiliários já constituídos. Podem participar do patrimônio de um fundo imobiliário um ou mais imóveis, parte de imóveis e direitos a eles relativos. As quotas deste tipo de fundos não admitem resgate, por serem fechados. Com isso, a alternativa é  a negociação na bolsa de valores ou Balcão Organizado, por meio de ordens.

O fii (fundo de investimento mobiliário) apresenta vantagens como menor custo. Se compararmos  ao investimento e aquisição direta de imóveis, o investidor não vai precisar lidar com gastos como ITBI, taxas de certidões, reconhecimentos de firma, cópia de documentos, escritura, registro, comissão de imobiliária. Estas quantias somadas chegam a 5% do valor do imóvel, em linhas gerais.

Outra vantagem importante é o acesso a investimento em imóveis de alto padrão, ou seja, entrar em um fundo imobiliário possibilita que investidores, mesmo de pequeno porte, adquiram cotas em empreendimentos de qualidade e alto valor. A transparência é um importante aliado neste tipo de investimento porque a as quotas são negociadas na Bovespa e tem a visualização de todo o mercado financeiro. Além disso, observamos a possibilidade de diversificação. O investidor consegue montar  a carteira com quotas em diferentes fundos de variados setores imobiliários como shoppings, hotéis, indústria, logística e imóveis residenciais. Com isso, o risco de dores de cabeça como inadimplência ou vacância fica repartido entre os diversos investimentos. O investidor também receberá vantagens como pessoa física como a isenção de IR sobre os rendimentos mensais recebidos. No Brasil, os fundos Imobiliários recebem incentivos tributários devido a sua importância no cenário econômico nacional. Além de isenções de impostos como PIS e COFINS.

A fiscalização do mercado imobiliário é realizada pela Comissão de Valores Mobiliários
(CVM fundos), responsável por gerar normas, disciplinar e desenvolver o setor no Brasil.

Fundo de Ações

Também possui um nome autoexplicativo: são fundos com o objetivo de investir no mercado de ações. Para estar inserido nesta modalidade, pelo menos 67% do patrimônio do fundo deve estar investido em ações. A outra parte da porcentagem pode ser investida em outros ativos, desde que respeite os limites estabelecidos. Este tipo de investimento é mais indicado para objetivos de longo prazo e para aqueles investidores que estão dispostos a enfrentar mais riscos, com a expectativa e possibilidade de rentabilidade mais elevada.

Fundo de Renda Fixa

Estes fundos são os que possibilitam a maior liberdade para o investidor  escolher seus ativos. Estes investimentos podem ser feitos sobre títulos atrelados a crédito, à Inflação e Tesouro  Pré ou  Pós-Fixado. Como regra, os fundos em renda fixa devem estabelecer que 80% de sua carteira seja aplicada a Títulos do Tesouro.  Algumas vantagens deste tipo de fundo são a possibilidade de lidar com prazos mais curtos para resgate, cerca de poucos dias. É possível fazer parte de fundos de renda fixa com investimentos iniciais de apenas R$ 1 mil. Além disso, é muito difícil haver algum caso de rentabilidade negativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *