Ações do Banco BTG: Uma boa escolha?

Ações do Banco BTG: Uma boa escolha?
Rate this post

Criado em 1983, o BTG Pactual orgulha-se de ser o maior banco de investimentos da América Latina, quinto maior banco brasileiro e terceiro maior banco privado do país.

Surgiu no mercado como uma DTVM (Distribuidora de Título e Valores Imobiliários). Só em 1989 a companhia carioca transformou-se em banco, quando abriu um escritório em São Paulo.

Em 2006, foi adquirido pelo suíço UBS, um dos maiores bancos da Europa, tornando-se sua principal divisão na América Latina, surgindo, assim, o UBS Pactual. Dois anos depois, foi comprado pelo BTG, dando origem ao banco hoje conhecido como BTG Pactual.ações do banco btg

Em 2014, tornou-se banco digital, funcionando como startup, com foco na experiência do cliente e em investimentos voltados para o varejo de alta renda.

Com base em números de 2018, o BTG Pactual tem uma carteira de R$ 207,5 bilhões em fundos, R$ 119,2 bilhões em Wealth Manegement, com um patrimônio líquido de R$ 18,8 bilhões.

Em 29 de março de 2018, foi apontado pelo World Finance como o melhor gestor de fortunas do país, além de melhor gestor de investimentos no Brasil, Colômbia e Chile.

Entre os produtos financeiros oferecidos pelo banco estão os investimentos em renda fixa, previdência privada, Tesouro Direto e fundos de investimento.

Histórico recente

No final de agosto de 2019, o BTG Pactual foi incorporado à carteira do Ibovespa. Dias antes, no entanto, o banco esteve no noticiário devido a um suposto envolvimento em crimes investigados pela Operação Lava Jato no âmbito da operação Pentiti.

Como consequência, as ações da companhia tiveram forte queda, chegando a perder 18,48% do valor na B3 no dia 26 de agosto.

Não foi a primeira vez que o banco esteve envolvido em escândalos. Em 2015, o controlador do banco, André Esteves, chegou a ser preso, também em decorrência de investigações da Lava Jato. Posteriormente, foi absolvido pela Justiça.

Apesar do envolvimento em escândalos, o BTG Pactual tem um histórico recente de expansão e investimentos. Recentemente, adquiriu 80% do capital da Ourinvest, ativo que comporá sua carteira de serviços digitais. No final de julho de 2019, a BR Malls anunciou a venda de R$ 697 milhões ao banco em participação em sete importantes shoppings do Brasil, o que deve reforçar ainda mais a boa capacidade de geração de caixa do banco.

No pacote, o BTG adquiriu participação nos shoppings: Ilha Plaza (RJ), Casa & Gourmet (RJ), Plaza Macaé (RJ), Londrina Norte (PR), Osasco Plaza (SP), Shopping Contagem (MG) e Capim Dourado (TO).

Os resultados financeiros recentes são alvissareiros. A empresa apurou receita líquida de R$ 2,181 bilhões no segundo trimestre de 2019, resultado 76,17% superior ao mesmo período de 2018, quando alcançou R$1,238 bilhão. No acumulado em 2019, o banco teve receita líquida de R$ 3,663 bilhões, contra R$ 2,548 bilhões em 2018, um aumento de 43,76% nas receitas.

O banco fechou 2018 com uma receita líquida de R$ 5,352 bilhões. Os números sinalizam que esse montante poderá ser de R$ 7,7 bilhões em 2019.

O banco lucrou R$ 2,361 bilhões em 2018. No acumulado no primeiro semestre de 2019, obteve lucro líquido de R$ 1,647 bilhão, contra R$ 1,223 bilhão em 2018, com crescimento de 34,7%. A projeção é de um lucro líquido, em 2019, próximo aos R$ 3,2 bilhões.

Nos últimos cinco anos, a receita do BTG cresceu 68,4%. O Patrimônio Líquido no segundo trimestre de 2012 era inferior a R$ 6 bilhões. No segundo trimestre de 2019 era de R$ 20,4 bilhões. O total em ativos, de acordo com a apuração do segundo trimestre de 2019 era de R$ 188,5 bilhões, sendo R$ 142,9 bilhões no circulante.

BPAC11

A BPAC11 é a ação UNT do BTG Pactual, uma carteira que reúne ações ON e PN, cotada a R$ 57,00 em 24 de setembro de 2019. Na mesma data, o mercado pagava 2,46 vezes o valor patrimonial da ação, o que significa dizer que, pela previsão de lucro atual, a ação cobriria a cotação atual em dez anos, o que, em tese, poderia sugerir uma valorização de mais de 100% no mesmo período, projetando o futuro.

Apesar disso tudo, o banco não está entre os melhores pagadores de dividendos do mercado. O Dividend Yield atual é de 2,5%. Em compensação, a ação é uma das que mais tem se valorizado na B3. Em setembro de 2019, acumulava uma valorização de 150% no ano.

A BPAC3, ação ordinária, havia valorizado 194%, enquanto as ações preferenciais proporcionaram ganho de 137% sobre o capital.

Vale a pena investir no BTG?

O banco tem fundamentos financeiros sólidos, uma boa administração e, comprovadamente, boas políticas estratégicas.

Como todas as instituições financeiras, vem sendo beneficiado pela política de redução de juros, que tem reduzido o custo de captação, sem que, contudo, essa economia seja repassada ao crédito ao consumidor, elevando, com isso, as margens dos bancos.

Por outro lado, o mercado brasileiro ainda vive o processo de revolução dos serviços financeiros gerado pela chegada das fintechs ao mercado. Os grandes bancos vivem um momento de reestruturação, buscando reduzir presença física e custos, trocando-os por tecnologia digital e serviços.

Não se sabe exatamente como a pizza terminará dividida, exceto que há uma fatia para todos. O BTG, ao mesmo tempo em que busca aumentar sua fatia na pizza, diversifica seus negócios, abocanhando uma fatia do ticket de consumo do brasileiro, por meio dos shoppings. É uma tendência e uma forma natural de defesa do poderio econômico das organizações financeiras.

A verdade, portanto, é que não se pode dizer que a ação do BTG está barata, tampouco podemos afirmar que não seja um bom investimento no longo prazo. A ausência de uma política mais arrojada de pagamento de proventos tira um pouco da atratividade da BPAC3.

Talvez um bom preço para comprar ações da companhia seja na faixa dos R$ 40,00, pensando no longo prazo, e um pouco abaixo dos R$ 50,00, pensando em ganhos no curto prazo, já que a atual resistência de preço está na faixa dos R$ 67,00.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *