O que é a Stellar (XLM)?

A Stellar, ou XLM, é uma criptomoeda que tem como fim servir como ponte entre o mercado financeiro tradicional, com seu dinheiro fiat e o mercado de criptomoedas. Embora isso possa parecer uma heresia para muitos entusiastas de criptomoedas, a XLM não pretende substituir o dinheiro fiat, mas sim melhorar sua interação com as moedas digitais de forma descentralizada, semi-instantânea e virtualmente gratuita.

Vamos ver agora mais a fundo como essa moeda que tem sido considerada bastante promissora funciona.

 

Stellar XLM: O que é e como funciona?

 

A Stellar é uma plataforma open source de pagamentos e moedas fundada em 2014 por Jeb Mccaleb – um dos fundadores da Ripple – e por Joyce Kim. Em 2015, a plataforma foi finalmente lançada e passou a permitir um novo meio de enviar moedas fiat como dólar, real, libra esterlina, pesos, ienes e o que mais fosse para qualquer local do mundo através da sua blockchain.

Jeb Mccaleb fundador da XLM
Jeb Mccaleb, fundador da Stellar

Mas como isso funciona? Bem, na plataforma da Stellar existem tokens para cada uma das moedas fiat que podem ser negociadas e que possuem a mesma cotação dessa moeda, sendo inclusive lastreados pela quantidade necessária da moeda em questão  para garantir que o token valha o mesmo que a moeda. Assim, existem tokens de dólar americano, tokens de libra esterlina, tokens de ienes e assim sucessivamente.

De certo modo, é como se a blockchain da Stellar fosse composta por uma grande variedade de stablecoins, cada uma lastreada na respectiva moeda que representa para garantir sua paridade.

A plataforma da Stellar, entretanto, permite mais do que isso, pois qualquer tipo de ativo pode ser tokenizado na plataforma: Ouro, prata, ações, commodities ou mesmo uma determinada quantidade de um serviço específico.

Para permitir esse tipo de operação, a Stellar faz uso dos chamados Anchors, ou âncoras, que nada mais são do que empresas parceiras que emitem os tokens – garantidos pela mesma quantidade do ativo representado – e permitem a entrada ou saída de usuários do sistema através da aquisição ou venda dos tokens. Para poder se tornar um Anchor da Stellar, esses negócios devem ter suas reservas do ativo tokenizado auditadas, estarem de acordo com as regulações locais – incluindo as referentes aos protocolos KYC ou Know your customers aplicado por instituições financeiras – e utilizar apenas transferências bancárias locais e não internacionais.

Dentro da plataforma da Stellar é possível trocar qualquer token ali negociado por outro token da plataforma através da sua DEX, ou corretora descentralizada, acoplada a plataforma.  Isso permite o grande dinamismo da plataforma, já que uma empresa inglesa, por exemplo, podem enviar um token de libra esterlina para uma empresa japonesa e o sistema pode converter automaticamente o pagamento na quantidade correspondente de tokens de iene.

E para que funciona o XLM?

Se grande parte da atividade dentro da Stellar se dá através dos tokens de moeda fiat, então qual o intuito de que a plataforma tenha sua própria criptomoeda, a XLM? Bem, você não achou que usaria a plataforma sem pagar taxas não é? A função do XLM é exatamente para o pagamento das taxas por transação. Isso pode parecer decepcionante, mas calma, a taxa média por transação é de apenas 0.00001 XLM, tornando a utilização da plataforma virtualmente gratuita.

Diferentemente da maioria das outras criptomoedas, a XLM não é minerada. Inicialmente, foram emitidas 100 bilhões de XLM e uma taxa anual de inflação de 1% foi programada no sistema. Em outubro de 2019, entretanto, a quantidade total de XLM foi reduzida para 50 bilhões e a inflação programada no sistema foi eliminada.

Atualmente, 20 bilhões de XLM circulam no sistema e 30 bilhões permanecem com a fundação Stellar, para ajudar a custear o desenvolvimento contínuo da plataforma.

Mecanismo de consenso da XLM

A Stellar utiliza o mecanismo de consenso bizantino, por meio do qual é possível que os participantes formem consenso a respeito de um bloco ainda que hajam nós maliciosos ou que não respondem, por qualquer motivo, na rede. O Consenso bizantino opera com base em uma lista de participantes, entretanto, a Stellar criou uma pequena modificação nesse ponto, criando o consenso bizantino federado, ou federated byzantine consensus (FBA), que não depende de qualquer lista de nós confiáveis – o que poderia gerar centralização da rede – e permite a adição de novos validadores a rede de modo mais rápido e menos burocrático.

Como a XLM não é minerada, não existe recompensa financeira para quem se dispõe a validar as transações, a não ser a recompensa de manter o sistema seguro. Isso pode parecer um incentivo um tanto quanto pequeno para manter a rede descentralizada, mas, como o custo de operar um nó na rede da Stellar é extremamente baixo, o incentivo de manter a rede segura para quem a utilizar ou possui serviços integrados com sua blockchain parece ser suficiente. Muitas empresas grandes como a IBM, Wirex, Satoshipay e outras, que já desenvolvem serviços na rede, tem um interesse claro na manutenção da sua segurança.

 

Onde comprar Stellar (XLM)?

O modo mais fácil de adquirir a XLM é através da Binance, a maior corretora de criptomoedas do mundo, porém também é possível adquiri-la através da Coinbase, Kraken, Bitfinex, Upbit e Huobi.

 

A Stellar (XLM) vai subir?

 

A XLM tem apresentado uma ótima performance nesse ano, saindo de 69 centavos no início de janeiro até um pico de R$3,50 em 14 de abril. Atualmente, a moeda esta cotada próxima dos R$2,80, mas, tendo em vista que a Altcoin Season – momento em que a valorização das critpomoedas alternativas começa a superar a do bitcoin – esta dando os seus primeiros passos após a correção das últimas semanas, é possível que a XLM atinja novos picos significativamente maiores. Nesse sentido, pode ser uma boa ideia aproveitar a queda de preço atual.

Moeda Stellar vai subir

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *