Quais são os principais fundamentos na hora de comprar uma ação?

Quais são os principais fundamentos na hora de comprar uma ação?
5 (100%) 1 vote

Para o investidor de longo prazo a análise fundamentalista se mostra indispensável para a melhor tomada de decisões. Isso porque quando adotamos uma perspectiva de longo prazo, o “barulho” do mercado, que costumeiramente cria percepções ilusórias sobre o preço das ações, se torna irrelevante.

 

Ao contrário de um trader, que pode eventualmente aprender a identificar a causa desses movimentos de curto prazo e se aproveitar deles, o investidor esta mais interessado em selecionar ações de empresas sólidas, com potencial de crescimento e lucros constantes ao longo dos anos, sendo irrelevante o movimento que elas podem apresentar nesse meio tempo.

 

Mas como selecionar essas empresas? Não há método melhor do que a análise fundamentalista de ações, buscando empresas cujo negócio e administração estejam assentados em fortes fundamentos econômicos que maximizem o seu resultado a longo prazo. Além desses, também podemos falar dos fundamentos micro e macroeconômicos, que dizem mais respeito as condições externas do mercado que a empresa atua e da economia como um todo. Para os growth investors, que buscam maximizar o valor do crescimento do seu capital a longo prazo e, idealmente, se tornar sócio de uma empresa para nunca mais precisar vender as ações da mesma – a não ser que seus fundamentos não sejam mais tão bons – esse segundo tipo de fundamento, ligado a questões macroeconômicas, se torna menos relevante, já que uma empresa sólida sempre irá performar bem a longo prazo, ainda que no curto e médio possa sofrer com condições adversas de mercado.

fundamentos de ações

Por isso, vamos nos concentrar aqui nos principais fundamentos relacionados a empresa em si que você deve analisar antes de tomar uma decisão de compra.

 

 

Os principais fundamentos econômicos de ações

 

Dito isto, podemos dividir os principais fundamentos que você deve analisar na hora de comprar uma ação em 4 grandes grupos:

. Eficiência da Produção, Marketing, pesquisa e desenvolvimento e finanças

. Recursos humanos

. Potencial de lucratividade

. Razão preço/lucro

 

Eficiência da Produção, Marketing, pesquisa e desenvolvimento e finanças

 

Dentro deste bloco, analisamos o que podemos chamar de os 4 fatores principais que lhe darão um indicativo inicial sobre valer a pena de se tornar um sócio daquela empresa ou não.

Primeiramente, é importante analisar se a empresa é a mais eficiente ou pelo menos uma das mais eficientes no seu setor na fabricação da maior parte das linhas de produto que oferece. Para ser verdadeiramente classificado como um investimento conservador, é vital que a empresa possua o mais baixo custo de produção entre seus competidores ou pelo menos esteja pareada com seus concorrentes próximos.

Isso atinge a dois objetivos muito importantes. O primeiro é que quando o mercado mudar e a demanda cair drasticamente, a empresa possuirá uma margem grande o suficiente que lhe permita cortar os preços sem colocar em risco o seu próprio lucro. Com isso, ela consegue resistir aos períodos mais escassos da economia e se prepara para uma forte recuperação à medida em que os seus concorrentes de custo mais alto se veem obrigados a vender a um preço próximo demais do break-even (seu custo total de produção por unidade), ou muitas vezes menor, forçando-os a diminuir a produção e gerando um aumento de demanda para empresa de menor custo.

O segundo objetivo é garantir que a empresa possua internamente a maior parte dos recursos de que necessita para sua expansão, evitando que emita novas ações no futuro – o que diluirá seus potenciais ganhos como acionista – ou que se endivide, aumentando seus custos com amortização e, consequentemente, diminuindo a  rentabilidade que lhe caberá enquanto acionista.

 

Já com relação a eficiência do seu marketing e de sua força de vendas, a relação tende a ser direta e inegável. Embora a situação ideal seja, obviamente, uma empresa com um excelente produto e excelente marketing e capacidade de vendas, a verdade é que em quase todos os exemplos históricos comparativos que podemos utilizar uma empresa com um produto mediano e uma força de vendas e marketing extremamente forte sempre vence uma empresa com um produto excepcional e um marketing pífio.

A única exceção a isso é no caso de empresas com produtos realmente inovadores, com alta tecnologia agregada, caso em que a própria ausência de competidores qualificados garante as vendas, o que nada mais é do que a exceção que confirma a regra.

O terceiro fator dentro deste ponto é analisar quais os investimentos a empresa tem feito internamente em pesquisa e desenvolvimento visando a geração de novos produtos que possam conquistar mais mercado, receita e lucros para a empresa futuramente. É preciso ter consciência de que o investimento em pesquisa e desenvolvimento em geral gera muitos resultados insatisfatórios e projetos que apenas consomem dinheiro da empresa, entretanto, é de vital importância estratégia a longo prazo, visto que muitas vezes apenas um desses projetos que tenha sucesso dá origem a um produto excepcional que pode se tornar um campeão de vendas nos anos futuros, aumentando exponencialmente os lucros da empresa.

Por fim, a organização financeira da empresa muitas vezes é um fato que passa batido para muitos investidores, pois nossa tendência natural é olhar apenas para a lucratividade da empresa e seu potencial de crescimento e esquecer que as funções de “suporte” são igualmente essenciais a longo prazo. Em uma empresa com uma linha diversa de produtos nem sempre é uma tarefa fácil saber exatamente o custo de cada produto em relação aos outros, visto que muitos desses custos – com exceção dos materiais diretamente utilizados e do trabalho de funcionários diretamente envolvidos na produção – tendem a estar dispersos em uma ampla gama de produtos. Saber o custo exato de cada produto dá uma vantagem considerável a empresa a medida em que ela pode tomar melhores decisões estratégicas, já que saberá quais produtos tem maior lucratividade e potencial de domínio de fatia de mercado.

 

Recursos humanos

Com certeza, um dos fatores mais relevantes para o sucesso de uma empresa a longo prazo é o fator pessoas. Embora isso seja algo de certa forma subjetivo demais para ser avaliado com alta precisão ele é essencial para a correta tomada de decisão de investir naquelas ações.

Para atender a esse requisito, você deve avaliar se o CEO da empresa em questão tem visão de longo prazo na condução dos negócios da empresa e a capacidade de delegação para um time de executivos de alta competência responsável por cada uma das áreas da empresa. Além disso, é necessário avaliar se a empresa tem e aplica eficientemente um programa de treinamento interno para identificar os colaboradores iniciantes com maior potencial de modo a treiná-los para futuramente sucederem a direção executiva atual, de modo a manter contínuo o fluxo de gestão eficiente da empresa.

Outro ponto importante é se a empresa tem um esforço de “vender internamente” a empresa a todos os seus colaboradores, de modo a mantê-los engajados com a atividade fim da empresa e garantir o desempenho futuro.

 

 

Potencial de lucratividade Exponencial

 

Já falamos sobre a importância de uma alta eficiência na produção e um custo de produção comparativamente baixo em relação aos competidores, mas esse fator que iremos falar agora diz mais respeito a uma empresa cujo negócio contenha uma vantagem inerente em relação a lucratividade.

O principal meio para chegar a esse estágio é se tornar líder de mercado de modo que uma grande parcela dos consumidores escolha comprar um produto daquela marca simplesmente porque é a líder do mercado, diretamente associada na mente do cliente ao próprio produto que oferece em si. Assim, você deve se perguntar se a empresa na qual você esta pretendendo investir é a melhor, ou tem condições de se tornar a melhor em um futuro breve, em relação a um mercado considerável para um determinado produto.

análise fundamentalista
Jack Welch, ex-CEO da GE

Foi seguindo este princípio, entre outros, que jack welch, considerado por muitos o maior CEO dos século 20, conseguiu aumentar o valor de mercado da General Eletric em 4.000% durante os 20 anos em que foi CEO da companhia. Um dos valores de gestão de Welch era o da dominação absoluta do mercado: Apenas manter produzindo produtos em que a empresa seja a número 1 ou no máximo 2 do mercado e descontinuar todas as outras linhas de produto. Jack entendia muito bem o valor exponencial para a lucratividade de ser o maior player do mercado em que atua.

 

Razão preço/lucro

 

Por fim, um dos fatores mais importantes para uma boa decisão de investimentos é a razão preço/lucro, que nos dará um indício forte sobre o preço atual da ação em relação ao seu valor intrínseco.

Muitas pessoas não param para pensar, mas a atratividade de um potencial investimento esta intimamente ligada ao preço que você paga por ele. De nada adianta investir em uma excelente empresa se o preço pago já é alto e exclui a possibilidade de ganhos futuros significativos.

Ao mesmo tempo, é preciso considerar que o preço de qualquer ativo negociado no mercado de ações sempre varia em função da percepção que a comunidade financeira tem dela, sendo entendida essa comunidade como o conjunto de todas as pessoas e instituições que operam no mercado financeiro.

Entender isso é a chave para o investimento bem feito. Quando existe um descompasso entre a percepção da comunidade financeira sobre uma empresa e o seu real valor – dado pela qualidade dos seus fundamentos – abre-se uma excelente oportunidade para o investidor inteligente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *