O que é Staking de criptomoedas?

Quando você se dispõe a deixar seu dinheiro parado no banco por um determinado período, ou com algum tipo de restrição de movimentação, o banco te oferece juros por isso, geralmente através de um CDB ou por meio de outras formas de investimentos em renda fixa.

Assim, se as criptomoedas são o ponto de partida para a completa revolução e inovação do sistema financeiro atual, então é natural pensar que deva ter algum mecanismo – exponencialmente melhor e mais eficiente – para que você consiga obter renda passiva por meio do universo das criptomoedas.

Se você pensou nisso, parabéns, você esta certo! Bem vindo ao Staking de criptomoedas.

Staking

 

Como funciona o Staking de criptomoedas?

 

Proof of work X Proof of stake

Os dois principais métodos de validação nas mais diversas blockchain até o momento são o proof-of-work, ou prova de trabalho, e o proof-of-stake, ou prova de participação. Cada plataforma de cripto, em sua grande maioria, irá possuir um ou outro desses métodos, as vezes com variações que tornam o processo mais rebuscado.

Proof of Work

O primeiro modelo, a prova de trabalho, é bastante popular por ser o método utilizado pelo Bitcoin e se baseia na resolução de uma equação matemática complexa, que exige grande poder computacional, para que o processo de verificação de uma transação possa ocorrer e ela seja validada, daí decorrendo sua menor escalabilidade devido a alta necessidade de recursos computacionais e elétricos. Uma vez que os participantes da rede validem um certo número de transações, fecha-se um bloco de transações, que é então adicionado a blockchain.

Então, o validador ou grupo de validadores que validou a última transação desse bloco recebe sua recompensa sob a forma de um número determinado de criptomoedas daquela rede. No caso do bitcoin, os mineradores recebem atualmente 6,25 BTC por bloco minerado. Na prova de trabalho, o processo todo é sempre entendido como análogo a mineração, pois a recompensa é dada somente a quem consegue “minerar” a transação premiada, aquela que fecha um bloco.

Proof of work

Para tornar o processo todo mais justo e também mais eficiente, é comum que os usuários participantes da mineração de uma rede proof of work se associem em um pool de mineração, por meio do qual unem suas capacidades computacionais para minerar blocos e dividem as recompensas entre si na proporção da participação de cada um no pool.

Proof of Stake

proof of stake, por outro lado, surge como uma opção de validação que não requer por parte do investidor um computador super potente e se baseia em alocar a validação das transações a grupos de validadores diferentes e exigir desses validadores que eles possuam um stake mínimo, ou seja, um interesse mínimo no bom funcionamento da rede, representado por uma quantidade mínima da criptomoeda em questão que fica “presa” na rede enquanto o validador trabalha, e sobre as quais possam ser impostas punições – inclusive de confisco – caso o validador seja pego fraudando ou validando errado transações em benefício próprio.

 

Rendimentos com Staking

Em troca, os validadores em uma rede de desse tipo ganham recompensas, os chamados Staking rewards, um percentual que ele recebe sobre as moedas em staking que varia entre 5 a 15% ao ano, em geral, para moedas mais estabelecidas como Ethereum, Ada e Avax, mas pode chegar a retornos muito maiores no caso de altcoins com baixa capitalização de mercado.

Rendimentos com Staking de criptomoedas

Para investidores com maior apetite para riscos, algumas dessas altcoins chegam a oferecer retornos de 100%, 1.000% e até, em alguns casos 10.000% ao ano ou mais. Entretanto, como a recompensa é sempre recebida na própria cripto daquela rede, há sempre o risco de hiperinflação da moeda, o que na prática pode comer todos esses ganhos espetaculares caso o projeto não sejam bem estruturado.

Riscos staking

Como sempre, não se esqueça de que seu papel como investidor de criptoativos é estudar em profundidade como os tokens e redes em que você pretende investir funcionam.

De qualquer modo, os retornos oferecidos por cada rede funcionam como espécies de taxas de juros, semelhante ao que você obtêm quando deixa o seu dinheiro na conta poupança, por exemplo.

Uma vez que as transações são validadas, é montado o quebra cabeça das operações, na ordem correta de execução.

O Proof-of-stake tende a ser mais escalável, já que as transações não precisam passar por todos os validadores da rede até ser confirmada, além de não precisar de recursos computacionais tão altos, facilitando a chegada de novos participantes na validação da rede.

O ponto “negativo” dessa forma de consenso é que, quanto mais mineradores, ou quanto maior é a atividade de mineração de um validador, mais moedas serão necessárias para serem retidas na rede e o processo poder seguir. Por outro lado, com essa limitação surgem oportunidades para quem esta disposto a deixar suas criptomoedas paradas em troca de uma remuneração.

 

Staking por delegação

Melhores criptomoedas para fazer staking

O Staking pode se dar de forma direta, quando você mesmo deixa suas moedas em staking na rede daquela criptomoeda para validar as transações, ou o staking por delegação, no qual você delega as suas criptomoedas para uma staking pool criada por um validador ou grupo de validadores e participa das recompensas obtidas por aquele validador(s) no processo de validação, na proporção das moedas delegadas por você em relação ao total de moedas naquele staking pool.

Em geral, as blockchains das criptomoedas que utilizam o stake por delegação tendem a decidir qual o node da rede será o próximo validador por um determinado tempo de acordo com a quantia de moedas totais em uma stakepool, como é o caso da ADA.

 

Por quê Staking?

A maior parte das plataformas que permitem o desenvolvimento de Dapps ou aplicativos decentralizados, Aplicações de Defi (finanças descentralizadas), Gamefi e outros tipos de protocolo de contratos inteligentes operam hoje por meio desse método de validação.

Defi Staking

De fato, para uma tecnologia mais complexa como os empréstimos descentralizado por meio de uma rede Defi poder funcionar corretamente, por exemplo, é vital que haja escalabilidade, com alta velocidade de transações e uma baixa taxa.

Além disso, o próprio staking acaba se tornando mais uma maneira alternativa para obter lucros no mundo das criptomoedas.

 

Melhores criptomoedas para fazer staking

Em termos de investimento, o staking pode ser considerado semelhante a um investimento em renda fixa, com retornos passivos garantidos ao longo do tempo. Entretanto, há claras vantagens em relação a renda fixa tradicional. A maior de todas é que o retorno obtido na grande maioria dos protocolos de Staking é bastante acima da média de mercado.

Enquanto um investimento em renda fixa tradicional, por meio de uma moeda fiat como o real, tende a ser indexado a Selic, que atualmente esta em 13,75% ao ano, é relativamente fácil obter retornos de 10a 25% ao ano através do staking de criptomoedas, sendo possível encontrar moedas que oferecem um retorno acima desses percentuais através do staking.

Esse retorno acima da média já é interessante por si só, mas, quando você considera que as moedas fiat – especialmente uma moeda como o real – tendem a se desvalorizar a longo prazo devido a inflação contínua e que uma criptomoeda com bons fundamentos tende a valorizar, então a diferença de ganhos se torna ainda maior, já que, a a medida em que aquela criptomoeda se valoriza, seus ganhos proporcionalmente ao valor inicial investido também aumentam.

É claro que, para obter esse efeito bola de neve é necessário que você esteja fazendo staking de moedas com real potencial a longo prazo e não de qualquer shitcoin obscura que pode muito bem derreter de um dia para o outro. Por isso, considero que as melhores criptomoedas para fazer staking são projetos promissores a longo prazo como a ADAAVAX, Polkadot, Cosmos, Vechain, solana e alguns poucos outros.

Por fim, você deve considerar que quando você faz Staking, à exceção daqueles projetos que permitem integração dessa funcionalidade com cold wallets, você esta deixando suas criptomoedas em uma carteira um pouco menos segura, havendo portanto um risco um pouco maior de perda das criptomoedas por ataques externos. Dependendo da escolha da carteira, essa possibilidade é bem baixa se você tomar os cuidados necessários, mas ainda assim não é tão segura quanto uma Cold Wallet.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.