O que é taxa Selic? (Selic Hoje, histórico, Selic 2021)

Quem acompanha o noticiário econômico ouve diariamente notícias acerca da política econômica brasileira. A taxa Selic é tema recorrente.

Em setembro de 2019, a taxa básica da economia alcançou seu menor patamar histórico até então ao ter sido reduzida para 5,5%.

Ao longo do ano de 2020, sucessivas reduções fizeram a Selic atingir o que segue sendo até o momento o seu menor patamar, 2% ao ano. No ano de 2021, a partir do final de março, o Copom aumentou a Selic  para 2,75% e, desde então, o orgão vem sinalizando, a cada nova reunião, novos aumentos de 0,75%, indicando uma clara reversão da política de redução dos juros para 2021. No dia 16 de junho, o COPOM realizou o 3º aumento consecutivo, alçando a Selic ao patamar de 4,25% e sinalizando, novamente, mais um aumento na próxima reunião, que pode ser ainda maior, de 1%.

Para entender o que tudo isso significa para a economia, primeiro temos que entender o que é a Selic, qual seu significado e o que ela representa para a economia.

Taxa Selic significado

Quem estipula a taxa Selic é o Copom (Comitê de Política Monetária), um orgão que faz parte da estrutura do banco central. O propósito básico da existência da Selic é organizar as políticas de juros praticadas pelo mercado. Por isso ela é chamada taxa de referência, o que significa dizer que não tem como finalidade servir como marco regulatório, mas como orientação.

Selic x Inflação

Para além do papel de referenciar a política de juros no mercado, a Selic tem a finalidade ampliada de servir como mecanismo de combate à inflação.

Com esse propósito, foi criada na segunda metade da década de 90, tendo alcançado patamar superior a 45% a.a em determinados momentos naquele período, como forma de reprimir a demanda, além de atrair investimentos estrangeiros num país asfixiado pela dívida externa.

Pelo menos em tese, a elevação da Selic inibe o consumo e a sua redução o estimula. Em tese, a política de juros reduzidos alcançou seu objetivo, com uma retomada acelerada da economia sendo observada e comprovada inclusive com os dados do PIB brasileiro no primeiro trimestre, que bateu 1,2%.

Na outra ponta, o consumo segue ainda um pouco inibido por diversas razões, entre elas o desemprego, a queda da renda do trabalhador e a perda de contingente populacional nas classes altas de consumo, o que só foi agravado devido a crise sanitária atual.

De acordo com levantamento feito pelo Departamento de Pesquisas Econômicas do Bradesco e da LCA, empresa de consultoria, até 900 mil brasileiros deixaram as classes A e B até o final de 2017. A crise política instalada desde 2013 contribuiu para que a classe C perdesse R$ 3,7 milhões de pessoas até o final de 2015.

São apenas alguns dados ilustrativos, que explicam por que não podemos levar tão ao pé da letra a relação entre Selic e inflação, embora ela de fato exista. E é justamente a perspectiva de uma aceleração da inflação atual que levou o BC a rever sua política e iniciar um aumento sistemático dos juros.

Sabemos que a inflação é decorrente do desequilíbrio entre demanda e oferta de bens e serviços. Se há muita demanda, mas a oferta é insuficiente, isso gera oportunidade de maiores ganhos para o lado vendedor, que eleva os preços. Da mesma forma, se existe baixa demanda, a parte vendedora acaba obrigada a competir por preços, derrubando a inflação.

A outra solução é a pior para a economia, que é a redução da produção, a demissão de funcionários, a perda de renda e mais redução do consumo, gerando um ciclo vicioso.

A influência da taxa Selic sobre os investimentos

Você deve ter ouvido falar bastante, também, sobre a perda de atratividade dos investimentos em renda fixa, em decorrência da queda da taxa Selic. Essa tendência tem se revertido com a mudança recente na política do BC e isso tem um lado bem positivo.

Isso porquê a taxa alta de juros é, também, um mecanismo de atração de investimentos no país. A taxa elevada de juros aumenta a remuneração do capital investido em títulos do tesouro e, consequentemente, afeta todas as aplicações financeiras em renda fixa, inclusive a poupança, mas também o CDB, LCI e LCA.

A emissão de títulos do tesouro é uma forma do governo obter crédito junto a investidores, da mesma forma que os bancos fazem com o CDB. Com esse dinheiro, o governo financia os investimentos em infraestrutura, desenvolvimento e serviços à população.

Por essa razão, o governo brasileiro, desde Fernando Henrique, sempre manteve elevada a taxa Selic, como política de atração de investimentos. Porém, com a queda sistemática dos juros, toda a cadeia da renda fixa sai perdendo. A remuneração das operações de investimento em tesouro direto cai, assim como cai o rendimento da poupança.

Todos os investimentos indexados pela Selic acabam caindo, mas também aqueles que estão indexados pelo CDI, que é a taxa básica praticada entre os bancos para operações de crédito diário entre as instituições financeiras. É o CDI que indexa os investimentos em CDB.

Seria, nesse caso, bastante natural supor que os investimentos indexados pelo IPCA ganhariam em rentabilidade, com base num natural aumento da inflação.

Nesse ambiente, o mais rentável segue sendo pensar com carinho em investimentos em renda variável, como ações, fundos imobiliários, derivativos e até criptomoedas, desde que você esteja ciente dos riscos e aloque apenas uma pequena parte do seu capital nesse tipo de ativo. Apesar disso, com a perspectiva de aumento de 1% ou até mais para a próxima reunião, elevando a selic para um patamar acima dos 5%, a renda fixa passa a se tornar mais atraente novamente, mas não a ponto de compensar os retornos com a renda variável, afinal, estamos longe dos dias em que a taxa básica de juros no Brasil estava próxima aos 15%, tornando a renda fixa em muitos casos melhor do que a variável quando se considerava os riscos da última.

 

Selic e a dívida pública

Outro aspecto importante do papel da Selic na economia é a dívida pública. No início do século XXI, o Brasil experimentou uma excelente fase em sua economia. Entretanto, os governos desenvolvimentistas lastrearam o investimento em desenvolvimento no crédito obtido junto aos investidores, com consequente aumento da dívida pública.

Quando o endividamento está relacionado ao investimento, em geração de receitas, ele pode ser bem vindo, contanto que atendendo a um planejamento financeiro e a um equilíbrio frente às despesas.

Quando, no entanto, o endividamento vem acompanhado de gastos excessivos, aquele dinheiro que vai e não volta mais, ou de pagamento de despesas, quando você se endivida para não parar, temos, aí sim, uma situação preocupante.

Com o aumento gradativo da taxa Selic, a escalada do endividamento tende a se intensificar. Entretanto, para um país como o Brasil, que ainda é considerado um país de risco no cenário global, não há muita opção ao aumento dos juros, já que na situação econômica atual a manutenção de juros artificialmente baixos como vinha sendo feito poderia levar a quadros de hiperinflação e até colapso da moeda.

Selic x risco

Voltando ao crédito, mais que a taxa Selic, o que determina o custo do dinheiro é o risco de inadimplência. Não é de se estranhar que as taxas de juros bancários não caiam na mesma proporção num país em que 30% da classe média gasta mais do que ganha e mais de 60% das famílias estão endividadas.

Diante desse quadro, o risco de inadimplência é alto, inibindo o estímulo à concessão de crédito barato.

Sendo assim, do ponto da economia doméstica, a recomendação é a adoção das melhores práticas financeiras: redução do consumo, fuga de bolas de neve como o rotativo e o cheque especial, controle de gastos, economia e investimento.

Taxa Selic Hoje (2021)

Atualmente a Selic esta em 4.25%. Com a expectativa de um novo aumento em agosto, a Selic provavelmente chegará a 5% ou mais

Taxa Selic Histórico

Como vimos o Brasil tem um histórico de altas taxas de juros, tendência que foi revertida nos últimos dois anos até que se chegasse ao patamar de 2% ao ano para a Selic em Agosto de 2020. Na últimaa reuniões do COPOM, entretanto, a Selic vem sendo aumentada em 0,75%, chegando já ao patamar de 4.25%

Taxa selic histórico

Se isso significa uma retomada da tendência histórica de juros altos no Brasil ainda é muito cedo para afirmar, mas certamente é uma boa notícia tendo em vista que os juros artificialmente baixos e desalinhados com o risco país torna o Brasil menos atrativo para investidores externos, que retiram seu dinheiro do país, o que é uma das causas responsáveis pelas altas sucessivas do dólar, ao lado da crise na saúde e desequilíbrio nas contas públicas.

 

Histórico da Taxa Selic

Acompanhe o histórico da taxa selic nos últimos 25 anos:

Reunião Período de vigência Meta SELIC
% a.a.
(1)(6)
TBAN
% a.m.
(2)(6)
Taxa SELIC
data viés (3) % a.a.(4)
239º 16/06/2021 17/06/2021 – 4,25
238º 05/05/2021 06/05/2021 – 16/06/2021 3,50 0,39 3,40
237º 17/03/2021 18/03/2021 – 05/05/2021 2,75 0,34 2,65
236º 20/01/2021 21/01/2021 – 17/03/2021 2,00 0,28 1,90
235º 09/12/2020 10/12/2020 – 20/01/2021 2,00 0,21 1,90
234º 28/10/2020 29/10/2020 – 09/12/2020 2,00 0,22 1,90
233º 16/09/2020 17/09/2020 – 28/10/2020 2,00 0,22 1,90
232º 05/08/2020 06/08/2020 – 16/09/2020 2,00 0,22 1,90
231º 17/06/2020 18/06/2020 – 05/08/2020 2,25 0,30 2,15
230º 06/05/2020 07/05/2020 – 17/06/2020 3,00 0,32 2,90
229º 18/03/2020 19/03/2020 – 06/05/2020 3,75 0,46 3,65
228º 05/02/2020 06/02/2020 – 18/03/2020 4,25 0,45 4,15
227º 11/12/2019 12/12/2019 – 05/02/2020 4,50 0,65 4,40
226º 30/10/2019 31/10/2019 – 11/12/2019 5,00 0,55 4,90
225º 18/09/2019 19/09/2019 – 30/10/2019 5,50 0,63 5,40
224º 31/07/2019 01/08/2019 – 18/09/2019 6,00 0,80 5,90
223º 19/06/2019 21/06/2019 – 31/07/2019 6,50 0,72 6,40
222º 08/05/2019 09/05/2019 – 20/06/2019 6,50 0,74 6,40
221º 20/03/2019 21/03/2019 – 08/05/2019 6,50 0,82 6,40
220º 06/02/2019 07/02/2019 – 20/03/2019 6,50 0,69 6,40
219º 12/12/2018 13/12/2018 – 06/02/2019 6,50 0,94 6,40
218º 31/10/2018 01/11/2018 – 12/12/2018 6,50 0,69 6,40
217º 19/09/2018 20/09/2018 – 31/10/2018 6,50 0,72 6,40
216º 01/08/2018 02/08/2018 – 19/09/2018 6,50 0,84 6,40
215º 20/06/2018 21/06/2018 – 01/08/2018 6,50 0,74 6,40
214º 16/05/2018 17/05/2018 – 20/06/2018 6,50 0,59 6,40
213º 21/03/2018 22/03/2018 – 16/05/2018 6,50 0,94 6,40
212º 07/02/2018 08/02/2018 – 21/03/2018 6,75 0,72 6,65
211º 06/12/2017 07/12/2017 – 07/02/2018 7,00 1,15 6,90
210º 25/10/2017 26/10/2017 – 06/12/2017 7,50 0,80 7,40
209º 06/09/2017 08/09/2017 – 25/10/2017 8,25 1,03 8,15
208º 26/07/2017 27/07/2017 – 06/09/2017 9,25 1,05 9,15
207º 31/05/2017 01/06/2017 – 26/07/2017 10,25 1,51 10,15
206º 12/04/2017 13/04/2017 – 31/05/2017 11,25 1,35 11,15
205º 22/02/2017 23/02/2017 – 12/04/2017 12,25 1,51 12,15
204º 11/01/2017 12/01/2017 – 22/02/2017 13,00 1,45 12,90
203º 30/11/2016 01/12/2016 – 11/01/2017 13,75 1,53 13,65
202º 19/10/2016 20/10/2016 – 30/11/2016 14,00 1,46 13,90
201º 31/08/2016 01/09/2016 – 19/10/2016 14,25 1,75 14,15
200º 20/07/2016 21/07/2016 – 31/08/2016 14,25 1,59 14,15
199º 08/06/2016 09/06/2016 – 20/07/2016 14,25 1,59 14,15
198º 27/04/2016 28/04/2016 – 08/06/2016 14,25 1,53 14,15
197º 02/03/2016 03/03/2016 – 27/04/2016 14,25 2,02 14,15
196º 20/01/2016 21/01/2016 – 02/03/2016 14,25 1,48 14,15
195º 25/11/2015 26/11/2015 – 20/01/2016 14,25 2,02 14,15
194º 21/10/2015 22/10/2015 – 25/11/2015 14,25 1,27 14,15
193º 02/09/2015 03/09/2015 – 21/10/2015 14,25 1,75 14,15
192º 29/07/2015 30/07/2015 – 02/09/2015 14,25 1,32 14,15
191º 03/06/2015 04/06/2015 – 29/07/2015 13,75 2,00 13,65
190º 29/04/2015 30/04/2015 – 03/06/2015 13,25 1,18 13,15
189º 04/03/2015 05/03/2015 – 29/04/2015 12,75 1,81 12,65
188º 21/01/2015 22/01/2015 – 04/03/2015 12,25 1,28 12,15
187º 03/12/2014 04/12/2014 – 21/01/2015 11,75 1,45 11,65
186º 29/10/2014 30/10/2014 – 03/12/2014 11,25 1,05 11,15
185º 03/09/2014 04/09/2014 – 29/10/2014 11,00 1,66 10,90
184º 16/07/2014 17/07/2014 – 03/09/2014 11,00 1,45 10,90
183º 28/05/2014 29/05/2014 – 16/07/2014 11,00 1,41 10,90
182º 02/04/2014 03/04/2014 – 28/05/2014 11,00 1,53 10,90
181º 26/02/2014 27/02/2014 – 02/04/2014 10,75 0,93 10,65
180º 15/01/2014 16/01/2014 – 26/02/2014 10,50 1,18 10,40
179º 27/11/2013 28/11/2013 – 15/01/2014 10,00 1,24 9,90
178º 09/10/2013 10/10/2013 – 27/11/2013 9,50 1,22 9,40
177º 28/08/2013 29/08/2013 – 09/10/2013 9,00 1,02 8,90
176º 10/07/2013 11/07/2013 – 28/08/2013 8,50 1,13 8,40
175º 29/05/2013 30/05/2013 – 10/07/2013 8,00 0,88 7,90
174º 17/04/2013 18/04/2013 – 29/05/2013 7,50 0,82 7,40
173º 06/03/2013 07/03/2013 – 17/04/2013 7,25 0,80 7,16
172º 16/01/2013 17/01/2013 – 06/03/2013 7,25 0,90 7,12
171º 28/11/2012 29/11/2012 – 16/01/2013 7,25 0,91 7,14
170º 10/10/2012 11/10/2012 – 28/11/2012 7,25 0,88 7,14
169º 29/08/2012 30/08/2012 – 10/10/2012 7,50 0,82 7,39
168º 11/07/2012 12/07/2012 – 29/08/2012 8,00 1,06 7,89
167º 30/05/2012 31/05/2012 – 11/07/2012 8,50 0,93 8,39
166º 18/04/2012 19/04/2012 – 30/05/2012 9,00 0,99 8,90
165º 07/03/2012 08/03/2012 – 18/04/2012 9,75 1,07 9,65
164º 18/01/2012 19/01/2012 – 07/03/2012 10,50 1,30 10,40
163º 30/11/2011 01/12/2011 – 18/01/2012 11,00 1,45 10,90
162º 19/10/2011 20/10/2011 – 30/11/2011 11,50 1,21 11,40
161º 31/08/2011 01/09/2011 – 19/10/2011 12,00 1,48 11,90
160º 20/07/2011 21/07/2011 – 31/08/2011 12,50 1,40 12,42
159º 08/06/2011 09/06/2011 – 20/07/2011 12,25 1,33 12,17
158º 20/04/2011 21/04/2011 – 08/06/2011 12,00 1,49 11,92
157º 02/03/2011 03/03/2011 – 20/04/2011 11,75 1,46 11,67
156º 19/01/2011 20/01/2011 – 02/03/2011 11,25 1,27 11,17
155º 08/12/2010 09/12/2010 – 19/01/2011 10,75 1,21 10,66
154º 20/10/2010 21/10/2010 – 08/12/2010 10,75 1,34 10,66
153º 01/09/2010 02/09/2010 – 20/10/2010 10,75 1,34 10,66
152º 21/07/2010 22/07/2010 – 01/09/2010 10,75 1,21 10,66
151º 09/06/2010 10/06/2010 – 21/07/2010 10,25 1,16 10,16
150º 28/04/2010 29/04/2010 – 09/06/2010 9,50 1,04 9,40
149º 17/03/2010 18/03/2010 – 28/04/2010 8,75 0,93 8,65
148º 27/01/2010 28/01/2010 – 17/03/2010 8,75 1,09 8,65
147º 09/12/2009 10/12/2009 – 27/01/2010 8,75 1,09 8,65
146º 21/10/2009 22/10/2009 – 09/12/2009 8,75 1,13 8,65
145º 02/09/2009 03/09/2009 – 21/10/2009 8,75 1,09 8,65
144º 22/07/2009 23/07/2009 – 02/09/2009 8,75 0,99 8,65
143º 10/06/2009 11/06/2009 – 22/07/2009 9,25 1,01 9,16
142º 29/04/2009 30/04/2009 – 10/06/2009 10,25 1,12 10,16
141º 11/03/2009 12/03/2009 – 29/04/2009 11,25 1,40 11,16
140º 21/01/2009 22/01/2009 – 11/03/2009 12,75 1,57 12,66
139º 10/12/2008 11/12/2008 – 21/01/2009 13,75 1,43 13,66
138º 29/10/2008 30/10/2008 – 10/12/2008 13,75 1,53 13,65
137º 10/09/2008 11/09/2008 – 29/10/2008 13,75 1,79 13,66
136º 23/07/2008 24/07/2008 – 10/09/2008 13,00 1,70 12,92
135º 04/06/2008 05/06/2008 – 23/07/2008 12,25 1,61 12,17
134º 16/04/2008 17/04/2008 – 04/06/2008 11,75 1,41 11,63
133º 05/03/2008 06/03/2008 – 16/04/2008 11,25 1,23 11,18
132º 23/01/2008 24/01/2008 – 05/03/2008 11,25 1,18 11,18
131º 05/12/2007 06/12/2007 – 23/01/2008 11,25 1,40 11,18
130º 17/10/2007 18/10/2007 – 05/12/2007 11,25 1,40 11,18
129º 05/09/2007 06/09/2007 – 17/10/2007 11,25 1,18 11,18
128º 18/07/2007 19/07/2007 – 05/09/2007 11,50 1,51 11,43
127º 06/06/2007 07/06/2007 – 18/07/2007 12,00 1,31 11,93
126º 18/04/2007 19/04/2007 – 06/06/2007 12,50 1,59 12,43
125º 07/03/2007 08/03/2007 – 18/04/2007 12,75 1,38 12,68
124º 24/01/2007 25/01/2007 – 07/03/2007 13,00 1,36 12,93
123º 29/11/2006 30/11/2006 – 24/01/2007 13,25 1,89 13,19
122º 17/10/2006 18/10/2006 – 29/11/2006 13,75 1,43 13,67
121º 30/08/2006 31/08/2006 – 17/10/2006 14,25 1,75 14,17
120º 19/07/2006 20/07/2006 – 30/08/2006 14,75 1,64 14,67
119º 31/05/2006 01/06/2006 – 19/07/2006 15,25 1,92 15,18
118º 19/04/2006 20/04/2006 – 31/05/2006 15,75 1,63 15,70
117º 08/03/2006 09/03/2006 – 19/04/2006 16,50 1,77 16,50
116º 18/01/2006 19/01/2006 – 08/03/2006 17,25 2,11 17,26
115º 14/12/2005 15/12/2005 – 18/01/2006 18,00 1,66 18,00
114º 23/11/2005 24/11/2005 – 14/12/2005 18,50 1,01 18,49
113º 19/10/2005 20/10/2005 – 23/11/2005 19,00 1,60 18,98
112º 14/09/2005 15/09/2005 – 19/10/2005 19,50 1,71 19,48
111º 17/08/2005 18/08/2005 – 14/09/2005 19,75 1,37 19,74
110º 20/07/2005 21/07/2005 – 17/08/2005 19,75 1,44 19,75
109º 15/06/2005 16/06/2005 – 20/07/2005 19,75 1,80 19,73
108º 18/05/2005 19/05/2005 – 15/06/2005 19,75 1,37 19,75
107º 20/04/2005 22/04/2005 – 18/05/2005 19,50 1,35 19,51
106º 16/03/2005 17/03/2005 – 21/04/2005 19,25 1,69 19,24
105º 16/02/2005 17/02/2005 – 16/03/2005 18,75 1,37 18,75
104º 19/01/2005 20/01/2005 – 16/02/2005 18,25 1,20 18,25
103º 15/12/2004 16/12/2004 – 19/01/2005 17,75 1,63 17,74
102º 17/11/2004 18/11/2004 – 15/12/2004 17,25 1,27 17,23
101º 19/10/2004 20/10/2004 – 17/11/2004 16,75 1,11 16,74
100º 15/09/2004 16/09/2004 – 19/10/2004 16,25 1,44 16,23
99º 18/08/2004 19/08/2004 – 15/09/2004 16,00 1,12 15,90
98º 21/07/2004 22/07/2004 – 18/08/2004 16,00 1,17 15,83
97º 16/06/2004 17/06/2004 – 21/07/2004 16,00 1,46 15,79
96º 19/05/2004 20/05/2004 – 16/06/2004 16,00 1,11 15,79
95º 14/04/2004 15/04/2004 – 19/05/2004 16,00 1,41 15,80
94º 17/03/2004 18/03/2004 – 14/04/2004 16,25 1,13 16,09
93º 18/02/2004 19/02/2004 – 17/03/2004 16,50 1,08 16,28
92º 21/01/2004 22/01/2004 – 18/02/2004 16,50 1,21 16,30
91º 17/12/2003 18/12/2003 – 21/01/2004 16,50 1,39 16,32
90º 19/11/2003 20/11/2003 – 17/12/2003 17,50 1,28 17,32
89º 22/10/2003 23/10/2003 – 19/11/2003 19,00 1,38 18,84
88º 17/09/2003 18/09/2003 – 22/10/2003 20,00 1,81 19,84
87º 20/08/2003 21/08/2003 – 17/09/2003 22,00 1,58 21,84
86º 23/07/2003 24/07/2003 – 20/08/2003 24,50 1,74 24,32
85º 18/06/2003 19/06/2003 – 23/07/2003 26,00 2,21 25,74
84º 21/05/2003 22/05/2003 – 18/06/2003 26,50 1,87 26,27
83º 23/04/2003 24/04/2003 – 21/05/2003 26,50 1,78 26,32
82º 19/03/2003 alta 20/03/2003 – 23/04/2003 26,50 2,16 26,32
81º 19/02/2003 20/02/2003 – 19/03/2003 26,50 1,68 26,30
80º 22/01/2003 23/01/2003 – 19/02/2003 25,50 1,81 25,36
79º 18/12/2002 19/12/2002 – 22/01/2003 25,00 2,05 24,90
78º 20/11/2002 21/11/2002 – 18/12/2002 22,00 1,58 21,90
77º 22/10/2002 23/10/2002 – 20/11/2002 21,00 1,44 20,90
76º ex. 14/10/2002 15/10/2002 – 22/10/2002 21,00 0,53 20,90
75º 18/09/2002 19/09/2002 – 14/10/2002 18,00 1,18 17,90
74º 21/08/2002 baixa 22/08/2002 – 18/09/2002 18,00 1,31 17,87
73º 17/07/2002 18/07/2002 – 21/08/2002 18,00 1,64 17,86
72º 19/06/2002 baixa 20/06/2002 – 17/07/2002 18,50 1,35 18,40
71º 22/05/2002 23/05/2002 – 19/06/2002 18,50 1,26 18,07
70º 17/04/2002 18/04/2002 – 22/05/2002 18,50 1,62 18,35
69º 20/03/2002 21/03/2002 – 17/04/2002 18,50 1,28 18,45
68º 20/02/2002 21/02/2002 – 20/03/2002 18,75 1,38 18,80
67º 23/01/2002 24/01/2002 – 20/02/2002 19,00 1,25 19,05
66º 19/12/2001 20/12/2001 – 23/01/2002 19,00 1,60 19,05
65º 21/11/2001 22/11/2001 – 19/12/2001 19,00 1,39 19,05
64º 17/10/2001 18/10/2001 – 21/11/2001 19,00 1,60 19,05
63º 19/09/2001 20/09/2001 – 17/10/2001 19,00 1,32 19,07
62º 22/08/2001 23/08/2001 – 19/09/2001 19,00 1,32 19,04
61º 18/07/2001 19/07/2001 – 22/08/2001 19,00 1,74 18,96
60º 20/06/2001 baixa 21/06/2001 – 18/07/2001 18,25 1,34 18,31
59º 23/05/2001 24/05/2001 – 20/06/2001 16,75 1,17 16,76
58º 18/04/2001 19/04/2001 – 23/05/2001 16,25 1,45 16,30
57º 21/03/2001 22/03/2001 – 18/04/2001 15,75 1,11 15,84
56º 14/02/2001 15/02/2001 – 21/03/2001 15,25 1,30 15,20
55º 17/01/2001 18/01/2001 – 14/02/2001 15,25 1,13 15,19
54º 20/12/2000 21/12/2000 – 17/01/2001 15,75 1,05 15,76
53º 22/11/2000 23/11/2000 – 20/12/2000 16,50 1,21 16,38
52º 18/10/2000 19/10/2000 – 22/11/2000 16,50 1,41 16,56
51º 20/09/2000 21/09/2000 – 18/10/2000 16,50 1,16 16,60
50º 23/08/2000 24/08/2000 – 20/09/2000 16,50 1,16 16,54
49º 19/07/2000 20/07/2000 – 23/08/2000 16,50 1,53 16,51
48º baixa 10/07/2000 – 19/07/2000 17,00 0,50 16,96
48º 20/06/2000 baixa 21/06/2000 – 07/07/2000 17,50 0,76 17,35
47º 24/05/2000 25/05/2000 – 20/06/2000 18,50 1,28 18,39
46º 19/04/2000 20/04/2000 – 24/05/2000 18,50 1,57 18,55
45º baixa 29/03/2000 – 19/04/2000 18,50 1,09 18,60
45º 22/03/2000 baixa 23/03/2000 – 28/03/2000 19,00 0,28 18,94
44º 16/02/2000 17/02/2000 – 22/03/2000 19,00 1,59 18,88
43º 19/01/2000 20/01/2000 – 16/02/2000 19,00 1,38 18,87
42º 15/12/1999 16/12/1999 – 19/01/2000 19,00 1,74 19,00
41º 10/11/1999 11/11/1999 – 15/12/1999 19,00 1,67 18,99
40º 06/10/1999 baixa 07/10/1999 – 10/11/1999 19,00 1,59 18,87
39º 22/09/1999 23/09/1999 – 06/10/1999 19,00 0,69 19,01
38º 01/09/1999 02/09/1999 – 22/09/1999 19,50 1,00 19,52
37º 28/07/1999 29/07/1999 – 01/09/1999 19,50 1,78 19,51
36º 23/06/1999 baixa 24/06/1999 – 28/07/1999 21,00 1,90 20,88
35º baixa 09/06/1999 – 23/06/1999 22,00 0,87 21,92
35º 19/05/1999 baixa 20/05/1999 – 08/06/1999 23,50 1,09 23,36
34º baixa 13/05/1999 – 19/05/1999 27,00 0,47 26,96
34º baixa 10/05/1999 – 12/05/1999 29,50 0,31 29,53
34º baixa 29/04/1999 – 07/05/1999 32,00 0,77 31,91
34º 14/04/1999 baixa 15/04/1999 – 28/04/1999 34,00 1,05 33,92
33º baixa 06/04/1999 – 14/04/1999 39,50 0,93 39,42
33º baixa 25/03/1999 – 05/04/1999 42,00 0,84 41,96
33º 04/03/1999 baixa 05/03/1999 – 24/03/1999 45,00 2,08 44,95
32º 18/01/1999 19/01/1999 – 04/03/1999 25,00 41,00 3,98 37,34
31º 16/12/1998 17/12/1998 – 18/01/1999 29,00 36,00 2,16 29,21
30º 11/11/1998 12/11/1998 – 16/12/1998 19,00 42,25 3,02 34,93
29º 07/10/1998 08/10/1998 – 11/11/1998 19,00 49,75 3,26 42,12
28º ex. 10/09/1998 11/09/1998 – 07/10/1998 19,00 49,75 2,58 40,18
27º 02/09/1998 03/09/1998 – 10/09/1998 19,00 29,75 0,45 25,49
26º 29/07/1998 30/07/1998 – 02/09/1998 19,75 25,75 1,76 19,25
25º 24/06/1998 25/06/1998 – 29/07/1998 21,00 28,00 1,86 20,45
24º 20/05/1998 21/05/1998 – 24/06/1998 21,75 29,75 1,85 21,23
23º 15/04/1998 16/04/1998 – 20/05/1998 23,25 35,25 1,92 23,16
22º 04/03/1998 05/03/1998 – 15/04/1998 28,00 38,00 2,74 27,51
21º 28/01/1998 29/01/1998 – 04/03/1998 34,50 42,00 2,72 34,20
20º 17/12/1997 02/01/1998 – 28/01/1998 38,00 43,00 2,43 37,47
19º 19/11/1997 01/12/1997 – 31/12/1997 2,90 3,15 2,97 39,87
18º ex. 30/10/1997 31/10/1997 – 30/11/1997 3,05 3,23 3,18 45,67
17º 22/10/1997 01/11/1997 – 30/11/1997 1,00 1,00 3,04 45,90
16º 17/09/1997 01/10/1997 – 30/10/1997 1,58 1,78 1,53 19,05
15º 20/08/1997 01/09/1997 – 30/09/1997 1,58 1,78 1,59 19,81
14º 23/07/1997 01/08/1997 – 31/08/1997 1,58 1,78 1,59 20,78
13º 18/06/1997 01/07/1997 – 31/07/1997 1,58 1,78 1,60 19,04
12º 21/05/1997 01/06/1997 – 30/06/1997 1,58 1,78 1,61 21,08
11º 16/04/1997 01/05/1997 – 31/05/1997 1,58 1,78 1,58 21,91
10º 19/03/1997 01/04/1997 – 30/04/1997 1,58 1,78 1,66 21,84
19/02/1997 01/03/1997 – 31/03/1997 1,62 1,80 1,64 24,11
22/01/1997 01/02/1997 – 28/02/1997 1,66 1,84 1,67 26,14
18/12/1996 01/01/1997 – 31/01/1997 1,70 1,88 1,73 21,73
27/11/1996 01/12/1996 – 31/12/1996 1,74 1,90 1,80 23,94
23/10/1996 01/11/1996 – 30/11/1996 1,78 1,90 1,80 25,27
23/09/1996 01/10/1996 – 31/10/1996 1,82 1,93 1,86 23,48
21/08/1996 01/09/1996 – 30/09/1996 1,88 1,90 25,40
30/07/1996 01/08/1996 – 31/08/1996 1,90 1,97 25,01
26/06/1996 01/07/1996 – 31/07/1996 1,90 1,93 23,28

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *