O método de investimentos de Peter Lynch

O método de investimentos de Peter Lynch
Rate this post

Falar sobre o método de investimentos de Peter Lynch nos remete a um fundamento que temos tratado abundantemente por aqui. Vamos um pouco além da análise fundamentalista para entender como o Fundo Fidelity Magellan obteve retorno anual, durante a gestão de Lynch, 13,4% acima do mercado.

Na filosofia de Lynch, análise fundamentalista é essencial, mas é preciso dar um passo além. Segundo o gestor de investimentos, que durante 13 anos seguidos teve rentabilidade 26% maior que o S&P500, mais abrangente índice da Bolsa de Valores dos Estados Unidos, é preciso entender o negócio da empresa.

Peter Lynch
Peter Lynch

Nós podemos ir mais além e concluir que devemos refinar o conceito de investimento no mercado de capitais. Vamos tentar fazer isso da forma mais clara possível.

Toda empresa que se preza define claramente qual é o seu negócio. Essa definição, feita de forma prévia, vai orientar todas as decisões estratégicas ao longo do tempo. O negócio da Petrobras, por exemplo, é a cadeia do petróleo, incluindo prospecção, extração, refino, processamento e distribuição.

Com base nessa definição, o gestor terá uma visão clara do ambiente de negócios em que a empresa vai competir. Em outras palavras, estamos falando do tamanho do mercado, dos cenários econômicos, possíveis produtos substitutos que possam aparecer, do tamanho e diferenciais dos concorrentes, das características e regras da exportação, mercados emergentes, etc.

Com base nesse conjunto de informações, a empresa vai definir qual sua estratégia de investimentos e crescimento, assim como a lucratividade esperada. Tal condição conferirá um maior controle sobre as variáveis estratégicas do negócio, aumentando as possibilidades de êxito, levando a que as metas possam ser alcançadas com mais lógica.

Invista no negócio e não em ações

Você já parou para se perguntar sobre as razões que justificam as escolhas de investimentos feitas pelas pessoas na Bolsa de Valores?

É raro encontrar alguém que investe nos fundamentos da empresa. Muitas vezes o mercado de ações nos dá a impressão de que estamos numa casa de apostas.

Não estamos dizendo que isso está errado. Pelo menos não de todo. Faz todo sentido alguém analisar um gráfico e estabelecer posições de compra e venda de ações de acordo com os suportes e resistências apresentados ao longo de um determinado período.

Porém, faz muito mais sentido ainda se alguém investe em uma ação com viés de longo prazo com base na análise fundamentalista, que oferece uma visão privilegiada do futuro da companhia e do preço de suas ações com base em indicadores financeiros atuais.

Grande parte dos mestres em investimentos que admiramos recomendam a análise fundamentalista das empresas e o foco em value investing. Outros vão além e procuram oportunidades com base na conjuntura, como é o caso de John Templeton, que ganhou fortuna fazendo a leitura correta das oportunidades geradas nos Estados Unidos pela Segunda Guerra Mundial e pela força de recuperação do Japão no período pós-guerra.

A grande sacada de Lynch é investir no negócio. Quando você abre um negócio, é natural que você tenha conhecimento de todas as variáveis que impactarão suas possibilidades de sucesso ou fracasso. Será que, quando as pessoas resolvem investir numa empresa, elas buscam ter esse mesmo conhecimento?

Partindo do princípio de que Peter Lynch tem entre suas premissas de investimento o longo prazo, faz todo sentido que você tenha a visão do dono, porque ao comprar uma ação você se torna dono de uma pequena parte desse negócio.

Sendo assim, a principal característica de Lynch, seu maior diferencial, era investir em negócios que ele entendesse, de modo que ele pudesse estudá-los a fundo, traçar cenários e investir com lógica.

Small Caps e a lição de casa

Lynch é reconhecido como investidor em Small Caps, que são as chamadas ações de baixa captação na Bolsa de Valores. O problema básico dessas ações é que a baixa demanda pode deixar você preso a elas, sem conseguir obter um preço razoável na venda ou mesmo realizar os lucros.

Não, porém, se essa empresa tem uma trajetória ascendente de faturamento, receita líquida e lucros. Não se ela tiver um bom market share, produtos e serviços inovadores, boa governança e uma gestão hábil. Não se o mercado em que ela atua estiver em crescimento e ela tiver vantagens perceptíveis em relação à concorrência.

Essa empresa, mais cedo ou mais tarde, estará na mira da cobiça do mercado. Em um momento futuro, é possível afirmar que ela se tornará uma grande pagadora de dividendos, já que sua operação é lucrativa e, mesmo que comprimida pelos investimentos, sua margem pode se ampliar no longo prazo, na medida em que esses investimentos sejam recuperados e passem a impactar os resultados do negócio.

“Nunca invista em uma companhia antes de ter feito o dever de casa sobre as perspectivas de crescimento, da sua condição financeira, seus planos de expansão e assim por diante.” (Peter Lynch).

Tudo isso não é, todavia, suficiente para que você decida a compra. É preciso, outrossim, fazer o que Lynch chama de “lição de casa”.

Um dos itens do dever de casa recomendado por Lynch é calcular o PEG ratio, que indica se o preço da ação já reflete a previsão de lucro futuro. Sempre lembrando que o preço da ação reflete uma expectativa e não o valor patrimonial ou de venda da companhia. Caso o PEG ratio seja alto, isso significa que o mercado pode ter avaliado a ação com otimismo exagerado.

Isso não quer dizer que a ação não possa se valorizar no longo prazo, mas que o preço dela pode cair no curto e no médio prazo, sendo possível comprá-la mais barato. Nesse caso, como todos os outros mestres em investimentos, o mandamento é ter paciência para esperar o melhor preço.

A importância de avaliar o mercado em que a empresa atua

Ainda falando do dever de casa, um dos fundamentos defendidos por Lynch é que o investidor deve calcular o peso da dívida nas perspectivas da empresa.

Para isso, é estabelecida a relação entre a dívida e o patrimônio da empresa. Quanto maior for a proporção da dívida em relação ao patrimônio, menos atraente deve ser o negócio.

No entanto, não basta obter esse indicador de forma individual, porque alto endividamento, não raro, representa altos investimentos. Nesse caso, é preciso comparar a dívida da empresa com a dívida das companhias concorrentes. Pode acontecer de todas as empresas do setor terem um endividamento nivelado, já que todas estão investindo em expansão e precisam financiar o crescimento.

Além disso, quando o endividamento do setor está nivelado você pode concluir que não se trata de um problema de gestão. Por outro lado, isso indica, também, que a competitividade da empresa não estará afetada frente às concorrentes.

Diante de tais observações, fica evidente a razão pela qual Lynch é considerado um dos maiores gestores de investimentos em ações dos Estados Unidos. Fica evidente, também, que investir em negócios assegura uma grande vantagem competitiva frente aos outros investidores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *